Abner Rosa: 54,8 milhões de brasileiros vivem abaixo da linha da pobreza!

Risco & Recompensa , 21/12/2018

Segundo recente pesquisa do IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, a pobreza no Brasil aumentou entre 2016 e 2017, são 54,8 milhões de brasileiros com rendimento de até R$ 406 por mês.

No período, o número de pessoas pobres passou de 52,8 milhões (25,7% da população) para 54,8 milhões (ou 26,5%). A parcela mais vulnerável é composta por domicílios comandados por mulheres pretas ou pardas sem cônjuge e com filhos de até 14 anos - 64,4% desse grupo vivem nessa situação. A fatia de crianças e adolescentes na faixa da pobreza passou de 42,9% para 43,4%. Outro dado perverso é que neste mesmo período, cerca de dois milhões de pessoas adentraram a faixa daqueles que vivem em situação de extrema pobreza, com renda em torno de R$ 140 por mês.

Os pilares do triângulo da fraude do Ph.D. Donald R. Cressey, criado em 1950, mostra que os itens racionalização, pressão e oportunidade estão presentes em 100% das ocorrências.

Nosso país possuí milhões de pessoas vulneráveis e um manancial de oportunidades para o cometimento das mais diversas modalidades de fraudes.

Quadrilhas especializadas em roubo de identidade, por exemplo, conseguem facilmente por diversos meios capturar uma quantidade significativa de dados cadastrais, utilizando desde "a aplicação de pesquisas falsas" até a "montagem de agências de emprego de fachada", entre outras formas.

Também com este contingente de pessoas, que possuem necessidades das mais básicas, não é difícil encontrar gente disposta a atuar em conivência com os golpistas, podendo desde, "vender seus dados cadastrais" até "fazer a utilização com documentos de residência e renda falsificados" e invariavelmente ainda aparecerem como "vítimas", compondo os números de perdas milionárias da indústria de ações contra por negativação indevida, danos morais e materiais.

Neste cenário, os desafios de identificação e autenticação de pessoas e transações seguem enormes e percebe-se que a favor das quadrilhas organizadas, ainda existem milhões de pessoas analfabetas e/ou com baixa instrução; desbancarizadas; ingênuas; inseguras e facilmente manipuláveis. Reflexos de um país pobre!

Acredito que às empresas que conseguirem aprofundar as investigações preventivas, de forma rápida, barata e com capacidade de encontrar grandes mudanças comportamentais no padrão de vida e consumo, irão fazer mais negócios seguros e com perdas controladas.

Para operações de alto risco, considerando regiões, canais de vendas, valores, produtos e etc., a ABCR -Agência Brasileira de Controle de Risco, oferece um bom leque de opções de mitigação de risco.



Links